quarta-feira, janeiro 25, 2006

2011 - o futuro é já ali

Visto que diz que não há como ser optimista, deixo-vos aqui o meu novo consolo: Cavaco Silva vai conseguir ser o primeiro presidente da Democracia a falhar a reeleição.

P. S. 1 - Uma palavra amiga para quem votou bem
P. S. 2 - Uma palavra democrática para quem votou mal, acompanhada de um «daqui a uns anos depois vais queixar-te e eu lá terei de te gramar; mas juro que só faço olhares trocistas uma vez!»
P. S. 3 - Um grande «vai à merda» a quem podia votar bem e preferiu não o fazer. Estes não-democratas não tem sequer direito de queixar-se.

segunda-feira, março 28, 2005

Terri, ainda

Não consigo parar de pensar em Terri Schiavo e no que o seu caso representa. Estou longe de ter grandes certezas, ao contrário do que o post de ontem pode fazer crer. Por isso volto ao tema: pensando bem, bem, bem temos de ter em atenção que o que lhe foi retirado foi... água e alimentos, ainda que estes apenas em forma líquida. Ou seja, não foi um ventilador ou qualquer outro meio que, artificialmente, a prendesse à vida. Ela vai morrer de fome e sede. Acredito que, como dizem os médicos, não sofrerá. Espero mesmo que não e continuo a pensar que a decisão dos juízes foi a melhor para toda a gente. Mas fiquei a matutar, de repente, que há grandes diferenças entre o caso de Terri e o de Ramón Sampedro, ou aquele da doce e dura personagem de Hillary Swank no Million Dollar Baby. A propósito: voto nele para filme da década, mesmo faltando cinco anos para esta terminar.

domingo, março 27, 2005

Terri, Ramón e Dom José Policarpo

D. José Policarpo é um homem da Igreja com quem se pode conversar. Ou melhor, de quem se podem ouvir as ideias, visto que em boa verdade nunca tive o privilégio de falar com ele. Mesmo sendo moderno na sua visão do Mundo, não era justo esperar da parte dele outra coisa senão a condenação da eutanásia e do aborto. Mas dizer que «se está a acabar com a vida quando ela é exigente e difícil» parece-me um pouco redutor. Senhor cardeal, «exigente e difícil» é a vida de 95 por cento de nós. Não me parece propriamente a caracterização da «vida» de Terri Schiavo ou da existência de Ramón Sampedro, embora ao galego ainda lhe valessem a lucidez e a consciência. Olho para a fotografia da norte-americana no dia do seu casamento, no Público de hoje; lembro-me das imagens que têm aparecido na televisão daquilo que ela é actualmente e não hesito em concordar com os juízes. De boa vontade eu próprio lhe retiraria o tubo que a mantinha artificialmente ligada a qualquer coisa que não consigo chamar de vida. Mas respeito quem pense o contrário, a não ser, claro, George W. Bush, que há muito deixou de merecer o respeito dos outros.

Para que pôs ele a mão na bola?

A ver se me faço entender: diz a lei 12 do futebol que deve ser expulso um jogador «que impedir com a mão um golo ou uma oportunidade manifesta de golo». Dizem alguns entendidos que Seitaridis, no Sporting-FC Porto, não «impediu uma oportunidade manifesta de golo» porque Liedson ainda não tinha cabeceado e Jorge Costa estava no caminho. Ora, se Liedson já tivesse cabeceado fora do alcance de Jorge Costa e a bola fosse entrar na baliza, Seitaridis teria impedido «um golo» e não «uma oportunidade manifesta de golo». Não será precisamente para distinguir uma coisa de outra que ambas estão referidas na lei? Pergunta de algibeira para o final: se não foi para «impedir uma oportunidade manifesta de golo», então para que pôs Seitaridis a mão na bola? Apeteceu-lhe?

sábado, março 26, 2005

A emancipação do fato-de-treino

Exultai, portugueses médios: nunca mais alguém das elites terá moral para criticar o fato-de-treino que vestis ao domingo para passear no Colombo ou no Almada Fórum. José Mourinho, ícone da modernidade-armani-metrossexual-cheia-de-estilo-e-barba-por-fazer apareceu na revista do Correio da Manhã com um belo fato-de-treino azul às compras em Londres com a família. OK, a indumentária do mister é de marca, mas agora, com jeitinho e dois passos de ginástica orçamental, há lá problema desse estilo que o Freeport de Alcochete não resolva?

terça-feira, março 22, 2005

Sugestão

Por sugestão da Gabriela, reproduz-se uma notícia publicada na edição do dia 19 de Março no «Expresso».
Estado dá subsídio para andar a pé
Os funcionários públicos têm direito a um subsídio para andar a pé (cerca de 0,15 euros por km percorrido) em deslocações no exercício das funções. O valor é superior ao subsídio para transportes públicos (0,12 euros por km), mas o Expresso não conseguiu, porém, apurar se o subsídio para andar a pé alguma vez foi requerido ou atribuído.

domingo, março 20, 2005

Loucuras da SuperLiga

Ou muito me engano ou, de repente, neste cantinho lusitano ficaram todos loucos. Adeptos do Benfica a garantir que, amanhã, gritarão pela vitória do Sporting frente ao FC Porto?; e, pior, adeptos do Sporting, como ainda hoje ouvi, a fazer rezas pelo sucesso do... dragão, em Alvalade? Desculpem???!!! Os primeiros alegam que, com todos os adversários a seis pontos de desvantagem, o caminho fica livre para a conquista do título, tantos anos depois; os segundos, loucos para que tal não aconteça, preferem continuar a ver o FC Porto a apenas três pontos e, portanto, a pressionar o rival e, sobretudo, a roubar-lhe o sabor do sucesso. «Do mal o menos», dizem estes últimos. Provavelmente do que todos se esqueceram é que, na época passada, com as posições invertidas (retiro destas contas o, então fantástico, FC Porto de Mourinho...), o Sporting chegou ao fim da 26.ª jornada precisamente com seis pontos de vantagem sobre o Benfica, tal como acontecerá agora, mas com as tais posições invertidas, caso hoje o leão vença o dragão. Ora, na época passada, tal como agora, Benfica e Sporting defrontam-se na penúltima jornada e, uma vez mais, em situação invertida relativamente à da última temporada (agora é na Luz, então foi em Alvalade). Continuando nesta história de inversões, Benfica e Sporting chegaram ao derby de então empatados na classificação (70 pontos, cada). Portanto, tenham calma os adeptos dos dois grandes de Lisboa porque, olhando a tudo o que já aconteceu este ano nesta excitante (sinceramente, não sei se por baixo ou se por cima) SuperLiga, resta-me dizer que, ou muito me engano, ou esta procissão ainda mal saiu do adro...

quarta-feira, março 16, 2005

Bem-vindos sejais

Santana Lopes compõe os ralos cabelos, passa um pouco de lixa fina na cara de pau, ensaia ao espelho o sorriso de guerreiro cansado e volta à Câmara Municipal de Lisboa. Lembra que Jorge Sampaio também lá regressou depois de ter sido candidato a primeiro-ministro derrotado em legislativas. Pois, só não foi exactamente, um pouco antes, primeiro-ministro indigitado não se sabe bem por quem. Mas isso é um pormenor. Lopes garante que tinha alternativas mais vantajosas do ponto de vista financeiro. Pois claro. Aliás o mesmo se passa, dizem-me fontes insuspeitas, com os ex-assessores que vão desaguando nos antigos órgãos de comunicação social. Eles até podiam ficar melhor de massas, mas não há como o espírito de missão que os agarra à magia do jornalismo, não é? Sejam bem-vindos e já agora felicidades aos que partem para quatro anos de maioria mais estável, porque absoluta. Dignifiquem a classe. E não se preocupem: nós deste lado cá vos esperamos de braços abertos, cientes de que nunca serão capazes de misturar política com jornalismo.

E pagam-lhes para comentar, não é?

Dias Ferreira, Guilherme Aguiar e Fernando Seara (a ordem tem apenas a ver com o tema e as intervenções em questão) são pagos para comentar, com ar de comensais de café e cheios de private jokes, a pretensa «actualidade desportiva da semana» num programa televisivo de segunda-feira à noite do qual nem recordo o nome mas que me aconteceu nele esbarrar ontem mesmo. Adiante: Pedro Mourinho, o moderador, perguntou a Dias Ferreira o que tinha, afinal, ganho o Sporting em trocar Fernando Santos por José Peseiro. O ilustre sportinguista riu-se e disse que «está à vista», secundado por Guilherme Aguiar. Acrescentou Dias Ferreira que «é verdade que tinha mais pontos, mas onde é que já ia na corrida pelo título?» Pois bem: ia a sete pontos do então líder, FC Porto, apenas mais um do que os que o separam actualmente do Benfica. Com duas diferenças porventura determinantes: este ano há mais equipas entre o Sporting e o líder; e no ano passado ainda ia receber ambos os rivais históricos, enquanto este ano recebe o FC Porto e desloca-se ao terreno do actual primeiro classificado. Fernando Santos não é bem parecido (Peseiro também não, de facto) nem pertence à alegada nova vaga de treinadores portugueses cheios de modernidade e fatos Armani. Mas escusava de pagar pelo que fez e pelo que não fez. É certo que no fim das contas ficou em terceiro lugar; mas Peseiro arrisca-se a muito pior (embora possa igualmente ganhar). E nesta altura do campeonato tinha tantas ou mais hipóteses de êxito que a actual equipa. Com outras duas diferenças relevantes: mais 16 pontos conquistados e o melhor FC Porto de sempre pela frente. Querem pagar-me para falar de algo que não domine muito bem, embora possa ter vagas ideias? Aceito propostas.

segunda-feira, fevereiro 21, 2005

Maioria absoluta

Fizemos uma sondagem com simulação de voto aqui no burgo. Também ouve maioria absoluta, mas de outra força política, que não foi a primeira nem a segunda nas eleições legislativas. 66,66666666666666 por cento. Esmagador!

Trap,o casanova dos treinadores

Quem o vê no banco dos suplentes a gesticular em permanência pensa que a sua atenção perante o jogo é total, mas a verdade é que Giovanni Trapattoni continua a ser demasiado lento a ler o jogo. Ontem, teve uma vez mais incrível sorte nas substituições (tardias), pois estava mesmo a ver-se desde o início da segunda parte que o Guimarães ia dar tudo para chegar ao empate. Trap veste-se bem e é um gentleman, um casanova dos treinadores, mas tem de arriscar um pouco mais, não pode resguardar-se apenas na sorte. Um dia destes ainda tem azar

domingo, fevereiro 20, 2005

Sabe muito

Johan Cruyff avisara que o Barça podia perder a liderança da I Liga espanhola mesmo depois da vitória da sua antiga equipa em Saragoça por 4-1. Insurgiram os jogadores de Rijkaard. Que Cruyff nada sabe do que se passa no balneário, gritou Ronaldinho. Mais prudente, Deco disse respeitar as opiniões do holandês. Mas que discordava. A verdade é que, uma semana depois, o Barça volta a ter sete pontos de vantagem sobre o Real Madrid, que desceu à Terra depois de sete vitórias consecutivas. As palavras de Cruyff motivaram uma reacção nos jogadores do Barça e criaram a convicção nos jogadores do Real Madrid de que, afinal, apanhar o rival até nem seria assim tão difícil. Desconfiou Figo. E com razão. Porque ao contrário do que muitos pensaram, Cruyff só estava a ajudar o Barça. Ainda nada está decidido, mas está, agora, mais esclarecido. Eto'o ficou em Barcelona para receber o prémio de melhor africano. Ronaldo convidou os amigos para uma festa. E chegou a Madrid com o dedo grande do pé esquerdo feito num trambolho. Uma coisa é certa. Cruyff sabe muito!

p. s. — e pensar que havia jornalistas em Barcelona que desconfiavam do valor de Deco...

sexta-feira, fevereiro 11, 2005

Manual do Administrador Competente

Santana Lopes lançou uma espécie de mini-autobiografia de campanha intitulada... Manual do Administrador Competente. Manual do.. Ah ah aha ahahaha ahaha ...Administrador.... Ah ahahahah ahah aha ah ah ah ah ah ah aha ... Competente... ah ah ah ah ah ah ah ah ah ... Competen... ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ... Pedro Santanta Lopes... ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah.


Post Scriptum: ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah ah